Ovários Policísticos

Ovários Policísticos e Fertilidade Por Dr. Artur Dzik

Ovários Policísticos e Gravidez

Por Dr. Artur Dzik

Mulheres, em idade fértil, que menstruam a cada dois ou três meses (ou seja: têm ciclos menstruais longos) ou simplesmente não menstruam, que apresentam um crescimento anormal de pelos, a pele com excesso de oleosidade e acne, podem pensar em procurar seu médico para um possível diagnóstico de ovários policísticos.

Ovários policísticos normalmente cursam com obesidade e podem também resultar em infertilidade, pela dificuldade ovulatória.

De 5 a 10% das mulheres em idade fértil apresentam ovários policísticos.

Por tudo o que já colocamos aqui, o diagnóstico é basicamente clínico, confirmado por exames laboratoriais e ultrassonografia pélvica transvaginal, mostrando uma imagem típica de múltiplos cistos nos dois ovários.

O tratamento vai depender muito da queixa das pacientes.

Para as que tem apenas alterações menstruais, o tratamento mais indicado é feito com anticoncepcionais orais que melhoram também o quadro de aumento de pelos e de acne. Melhoras que ocorrem entre 6 e 9 meses após o início do tratamento com os anticoncepcionais orais. Também são indicadas as medidas dermatológicas como laser e eletrocoagulação, feitas assim pelos médicos dermatologistas.

Nos casos em que a principal queixa é a obesidade, medidas dietéticas e atividade física.

Quando a principal queixa é a infertilidade, está indicada a indução da ovulação, tanto na baixa quanto na alta complexidade da reprodução assistida.

Na baixa complexidade, que seria o coito programado e/ou a inseminação intrauterina, por até três ciclos. No entanto é preciso atentar para o alto nível de resposta dessas pacientes para evitar a principal complicação que vem a ser a gravidez múltipla. Já na alta complexidade, congelando os embriões, podemos controlar o número a ser transferido, no sentido de evitar a gravidez de gêmeos.